Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

A Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, a FMRP – USP, foi fundada em 1952 pelo Prof. Zeferino Vaz.

A lei n° 161 de 1948, que contemplou algumas cidades paulistas com diferentes faculdades, deu a Ribeirão Preto a oportunidade de sediar uma Faculdade de Medicina. E dessa, criou-se a FMRP – USP.

A FMRP – USP já nasceu com excelência. Seus princípios básicos já inlcuíam alguns dos tópicos mais importantes em medicina e na educação médica, como a ênfase em medicina preventiva e a obrigatoriedade do internato, que só se tornou nacional em 1970, mas que já era feito em Ribeirão desde a primeira tuma da Faculdade. Pilares como estes foram fundamenteis para que a FMRP – USP fosse aceita pela Fundação Rockeffeler para apoio financeiro, que contribuiu de froma grandiosa para o crescimento da FMRP – USP. O financiamento proporcionou que o Hospital e os laboratórios da Faculdade fossem equipados, vários professores fossem ao exterior para se especializarem e aprimorarem seus conhecimentos, e grandes nomes do mundo todo fossem trazidos a Ribeirão, como Lucien Lison, um dos pioneiros da histoquímica, Fritz Köberle, responsável pela teoria neurogênica da fase crônica da Doença de Chagas, e Miguel R. Covian, discípulo direto de Bernardo Houssay ( Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina em 1947) e um dos pioneiros da Neurofisiologia na América Latina.

Dos nacionais, destacaram-se os primeiros entre os primeiros - Pedreira de Freitas, que desde 1941 estudava Chagas nos aspectos clínicos, epidemiológicos e profiláticos, e Maurício Rocha e Silva, um dos descobridores da bradicinina, e "a maior expressão da farmacologia brasileira de todos os tempos".

Em 1956 o Hospital das Clínicas inicia suas atividades no Hospital Fundação Sinhá Junqueira, no centro da cidade, onde atualmente funciona a Unidade de Emergência da FMRP – USP. E em 1978 o Hospital passa para seu atual prédio, no campus da USP, onde funciona até hoje.

Não era de se espantar que em pouco tempo a FMRP – USP se tornaria referência nacional em ensino, pesquisa e assitência. Hoje ela é responsável por grande parte da produção científica nacional, abriga um Hospital que recebe pacientes do país todo e fornece uma das melhores formações médicas da América Latina.

O Brasão

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

O Brasão da FMRP – USP tem na águia a simbolização do alcance de horizontes ilimitados, visão elevada e a liberdade de direções. Ela agarra a espada da ousadia e o bastão com a serpente de Esculápio. O primeiro é símbolo de São Paulo, mostrando sua filiação à Universidade de São Paulo, enquanto que o segundo é símbolo secular da arte médica.

Os dizeres em latin tem significados fortes. "UNIVERSITAS STUDIORUM" significa a totalidade dos interesses, do saber ou de saber. Trata-se de um significado contrutivo, bem condizente com o período no qual a criação deste brasão está inserida: pós-ditadura quando se tentava reorganizar a vida da cidadania.

E "SCIENTIA TERMINUM AMOVERE" significa "Pela ciência, afastar o fim, o término". Uma profissão de fé na vitória da ciência (médica) na luta contra a morte, a finitude humana.

Fontes: www.fmrp.usp.br e www.hcrp.fmrp.usp.br